Sobre acessibilidade

Serviços

28/02/2020 - 17:00

 

Apesar de serem condições totalmente diferentes, o mal de Alzheimer, o lúpus e fibromialgia têm um fator em comum: são doenças que não têm cura. Por esse motivo, em 2014 foi criada a campanha Fevereiro Roxo, para informar a sociedade sobre sintomas e tratamentos dessas patologias.  

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Alzheimer afeta cerca de 35,6 milhões de pessoas mundialmente, estimativa que pode dobrar em 2030. No caso da fibromialgia, segundo dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia, a doença afeta 3% da população brasileira, sendo a maioria mulheres. O lúpus, por sua vez, também é uma condição mais comum em pessoas do sexo feminino, sobretudo se forem negras.

A segurada do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Pará (Iasep), Rafaela Lima, foi diagnosticada com lúpus em 2016, quando começou a apresentar sintomas como dores nas articulações, indisposição frequente e sensibilidade à luz do sol. “Após a confirmação do diagnóstico, iniciei o tratamento contínuo com hidroxicloroquina. Hoje levo uma vida absolutamente normal, com poucas restrições, como a exposição ao sol”, conta Rafaela.

Além dos medicamentos, Rafaela também tenta manter práticas de hábitos saudáveis para ajudar no tratamento. “Pratico exercícios físicos regulares e minha alimentação é saudável dentro do possível. Evito excesso de gorduras, alimentos processados, muito condimentados e dou preferência para alimentos assados e frutas”, afirma.

Cobertura – O Iasep oferece atendimentos específicos para Alzheimer, lúpus e fibromialgia, como, por exemplo, em neurologia e reumatologia, além de outras especialidades, exames e procedimentos. “Sempre fui atendida em tudo que precisei, inclusive no diagnóstico. Quando precisei de ampliação de cota, tive um retorno positivo e imediato pelo plano”, afirma Rafaela Lima.

Sintomas – Considerada uma doença autoimune, o lúpus pode acometer vários órgãos do corpo humano e, dependendo da gravidade, pode levar a óbito se não for tratado corretamente. Seus principais sintomas são fadiga, febre, dor nas articulações, rigidez muscular e sensibilidade à luz do sol.

O mal de Alzheimer é um transtorno neurodegenerativo, que evolui de forma lenta e fatal. Essa patologia afeta o cérebro na parte cognitiva e da memória, que compromete a capacidade de realizar atividades diárias. Os sintomas são falha da memória, repetição de perguntas, dificuldade para achar caminhos conhecidos, irritabilidade e tendência ao isolamento. A evolução acontece por estágio e não há o que possa impedir o avanço.

Já a fibromialgia é uma síndrome que atinge o corpo todo e causa dores, principalmente na musculatura. Além disso, causa fadiga, sono excessivo, ansiedade, problemas intestinais e sensibilidade ao toque. Embora não tenha cura, a fibromialgia tem tratamento baseado em medicamentos e práticas de terapias.

 

Texto: Thâmara Magalhães (Núcleo de Comunicação/Iasep)

Foto: Arquivo pessoal