Sobre acessibilidade

Serviços

26/04/2019 - 14:30

 

Dia da hipertensãoCelebrado em 26 de abril, o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial foi criado para conscientizar a população sobre os cuidados para evitar e tratar a doença. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, aproximadamente 25% da população adulta do país tem níveis elevados de pressão do sangue nas artérias.

Mais conhecida como “pressão alta”, a hipertensão ataca os vasos sanguíneos, coração, cérebro e pode causar paralisação dos rins. Considera-se que uma pessoa está hipertensa quando sua pressão se mantém frequentemente acima de 140 por 90 mmHg ou, como se fala mais comumente, 14 por 9.

Segundo a Dra. Anna Pinheiro da Costa, clínica geral do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Pará (Iasep), a doença é hereditária em 90% dos casos, mas há outras condições que aumentam o risco. “Fumo, obesidade, consumo de sal, sedentarismo e estresse são alguns dos fatores que mais influenciam na pressão arterial. Apesar de não ter cura, existem tratamentos que controlam a doença e fazem com que o portador tenha uma vida praticamente normal”, afirma a médica. O controle da hipertensão evita que a pessoa desenvolva outras doenças, como acidente vascular cerebral (AVC), enfarto e insuficiência cardíaca ou renal.

A segurada do Iasep Thaniajara Ferreira de Souza, de 58 anos, descobriu que era hipertensa em 2010, quando sofreu um infarto. Desde então, começou a ter cuidados constantes no dia a dia. “Minha rotina teve que mudar toda. Além da reeducação alimentar, comecei também a fazer atividades físicas, como caminhadas. Bani o sal da minha vida! Depois disso e do uso dos medicamentos, senti uma grande melhora”, conta a aposentada, que diz realizar exames periódicos com o cardiologista para saber como anda a medida da pressão sanguínea.

Thaniajara é uma das seguradas do Iasep cadastrada no Programa de Procedimentos Adicionais, que amplia as cotas anuais de exames e consultas em condições especiais, como doenças crônicas. Os hipertensos que fazem parte do programa têm direito a seis consultas a mais por ano, além de uma série de exames adicionais à cota regular, específicos para o caso, como eletrocardiograma, ecocardiograma, teste ergométrico, Holter e cintilografia cardíaca.

A aposentada do Detran Ercila Rodrigues, de 76 anos, é beneficiada pelo programa há vários anos. “Eu uso muito o Plano Iasep. Minha cardiologista pede muitos exames, de três em três meses são vários. Então, quando esgota a cota regular, eu peço o aumento. Felizmente, com esse acompanhamento, remédios, dieta e exercícios, minha pressão está controlada”, comemora.

Só no ano de 2018, mais de 1.200 segurados hipertensos usaram o Programa de Procedimentos Adicionais do Iasep. Em 2019, aproximadamente 300 já estão cadastrados. Para se inscrever, é necessário apresentar ao Iasep documentos que comprovem a patologia (mais informações podem ser obtidas aqui).

De acordo com a coordenadora de Assistência Social da autarquia, Francy Silva, as cotas adicionais são fundamentais para os segurados com a doença. “O aumento das cotas ajuda a prevenir os agravos à saúde do segurado hipertenso. Isso contribui de maneira decisiva para sua qualidade de vida”, afirma.

Texto: Crystine Vasconcelos e Ádria Azevedo

Foto: Ádria Azevedo

(Núcleo de Comunicação/Iasep)